arquivo

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Eu quero a sorte de um amor tranquilo?



Como você imagina o amor da sua vida? 
Como você idealiza sua história de amor?
Como você imagina pessoa perfeita para ter ao seu lado?


O vídeo acima está rodando a internet e me faz derramar rios de lágrimas sempre que o assisto e aí eu assisto de novo e de novo: 
"Eu sempre imaginei x,y,z. Aí eu conheci você e você não era nada disso." (...) "Não vou dizer para que não mude, para que continue sendo a pessoa que eu amo. Ao invés disso, vou dizer: continue mudando e mudando a minha vida" - Karla nesse momento já soluçando - Que lindo isso, gente, sério!

Como toda menininha que se preze, sempre sonhei com um amor de conto de fadas ou, quem sabe, de novela. Maria, que ama João, que ama Maria e que vivem felizes para sempre. Mas o fato é que, mesmo nos contos de fada, João e Maria passam por alguns perrengues... Aliás, João e Maria, no caso são irmãos e passam mesmo por perrengues, mas olha a Branca de Neve! Teve que se esconder na floresta e comer a maçã envenenada antes do príncipe aparecer; Cinderela, Aurora e Rapunzel enfrentaram as madrastas más até serem libertadas pelos seus amados.

Já desisti do amor muitas vezes diante de dificuldades, torcia o nariz para quem insistia em relações que, aparentemente, já tinham mostrado que não tinham dado certo... Eu queria a sorte de um amor tranquilo e percebi que, tudo que é tranquilo demais é tedioso e, se é tedioso, não é legal!

Amar diante de um cenário perfeito é muito fácil. Mas é aí que fica mais difícil amar, porque é difícil encontrar o amor perfeito, porque o perfeito não existe e nem você, amigo, é perfeito! 

Enquanto escrevia também lia e, de repente, um outro texto com perfeição se encaixou na minha teoria: 

Prefiro uma overdose de amor a um amor mais ou menos

(...) Mesmo que você não fique, obrigada por voltar. (...) Ainda que você foda minha vida e me faça sofrer feito louca, obrigada por fazer com que cada milímetro do meu corpo se manifeste em sensações incompreensíveis e maravilhosas. É bem verdade que já fazia algum tempo que ninguém arrancava de mim alguns sorrisos sinceros. 
(...) Não se preocupa em ir embora. Você vai viver sua vida, e ela vai ser bonita mesmo longe de mim. Você nasceu para ter uma vida bonita com qualquer pessoa. Eu vou ficar tristíssima por algum tempo. Vou chorar ouvindo Alcione e me arrastar por azulejos gelados, arranhando meus joelhos, olhos inchados. Só não te culpa, porque é por isso que eu vivo. Para sentir coisas imensas, incontroláveis, sentir meu peito inchado, ainda que seja de tristeza. Eu prefiro quase morrer de uma overdose de sentimentos complexos do que viver pra sempre no mais ou menos. (...)
Leia na íntegra aqui.

Não que eu ache que você deva ficar dando murro em ponta de faca, mas se ainda vibra, chame do que quiser: teimosia, sexto sentido, voz do coração; mas persista! Você vai saber que é amor de verdade se, mesmo diante de toda a dificuldade, ainda existir esse amor.

Talvez o amor não venha em mão dupla e você precise nadar em outros mares, mas o que eu te peço é que não desista de ser oceano... Não se contente com as águas calmas de um lago nem se limite às bordas de uma piscina se o amor pode ter o vai e vem das águas do mar e o poder de te energizar como somente ela o fará.

E se ainda te restam dúvidas, inspire-se em Capinejar, e lembre-se que as suas incertezas podem te levar onde sua certeza nem pode imaginar.