arquivo

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Sobre ser quem você é...

Andei pensando ultimamente nas alegrias e tristezas de ser quem eu sou: uma pessoa alegre, comunicativa, empolgada e, às vezes, um pouco desligada. Alguém que gosta de balada e que não perde nunca uma piada. Brinco com todo mundo, sem malícia, mesmo quando a brincadeira seja maliciosa por si só. Danço e rebolo como se não houvesse amanhã. Me divirto aqui e agora. Intensa. Acho que essa seria uma boa definição.

E, como é difícil ser assim!

As pessoas parecem não entender e começam a julgar. Hora julgam por achar o seu comportamento muito forte e difícil de lidar; em outros momentos as pessoas veem essa maneira de ser como uma certa forma de futilidade ou, talvez, vulgaridade.

Ninguém conhece os tombos que levei nem as feridas que curei para chegar até aqui e ser desse jeitinho "único" (seja único bom ou ruim). Nem sabem os dilemas que enfrento, todos os dias, porque, por trás dessa casca grossa tem sim alguém muito sensível e frágil... Ahh meus medos! Minha ansiedade... minhas auto-cobranças!

Apesar de às vezes ainda fraquejar tenho tentado, e a cada dia mais conseguido, levantar, sacudir a poeira e refletir sobre o que pode ser mudado, como e quando para me tornar uma pessoa melhor.

A última lição? Permitir-me. Ter coragem. Enfrentar. Acreditar que eu posso. Deixar os medos de lado e entender que os erros fazem parte do processo; que os fracassos são parte da caminhada e não significam uma derrota por si só, mas aprendizado... Não ter medo de errar e aceitar os erros. Não ter medo de assumir as rédeas da minha vida, nem vergonha de pedir ajuda quando precisar.

Parece tudo meio óbvio e clichê, mas é bom alguém nos fazer lembrar desses conceitos de vez em quando. Agradeço por ter podido ser lembrada deles e prometo colocá-los em prática daqui pra frente.

E, como já dizia o filósofo Horácio (não, não tomei uma injeção de cultura de repente... apenas guardei a frase que escutei há algum tempo como exemplo de vida - apesar de nem sempre praticado):

"É confortante deixar-se ir de vez em quando"

Porque é mais fácil na teoria do que na prática...
Porque, hoje, eu busco a prática do que a teoria...



Obs: Micro-pausa nos micro-contos. Redefinindo e buscando novas inspirações...
Be right back.