arquivo

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Barracão na apuração do carnaval de SP - E o patrocinador, como é que fica?

Quarta-feira de cinzas só não é mais cinza porque é quarta e não segunda. Dia de se arrastar para o trabalho ainda de ressaca e torcer para o dia passar rapidinho. Há quem ainda curta o carnaval por aí... Ah! Se inveja matasse!

Tem quem ainda esteja correndo atrás do trio elétrico em Salvador ou quem ainda esteja comemorando a vitória de sua escola de samba do coração no Rio ou em São Paulo. Ou, talvez, lamentando.

Mais uma vez rolou barraco na apuração do carnaval paulista. Todo ano sai alguma coisinha e até entendo o quanto deve ser triste não ganhar o título de escola campeã. "Não ganhar". Não digo perder, pois vitória mesmo deveria ser ver tudo lindo na avenida, coisa que sempre acontece. Título é consequencia, mas não deve ser o único objetivo...

Imagino o esforço que deve ser, o trabalho duro o ano todo para se fazer uma festa tão bonita e mundialmente conhecida como o nosso carnaval e a tristeza de não ganhar. "Não ganhar". Porque perder, para mim, não é não levar o troféu para a quadra da escola, mas protagonizar cenas tristes como as que foram transmitidas pela TV ontem.

O barraco desse ano foi grande. Um barracão de escola de samba, mas não aquele onde se guardam os carros, templo de alegria. Barracão triste, briga, confusão. Rasgaram as notas dos jurados, botaram fogo nos carros alegórigos, depredaram as grades do Anhembi. Teve gente presa e com razão.

Até entendo reclamar por notas melhores. Só quem está lá na escola dia após dia sabe o trabalho que dá; eles tem todo o direito de imaginar que merecem sim notas melhores, pois deram duro um ano inteiro; mas brigar? Vandalizar? Isso é desrespeito. Desrespeito aos jurados. Desrespeito às demais escolas. Desrepeito à grande festa que é o carnaval. Desrespeito à sua própria escola e comunidade. Desrespeito àqueles que te apoiam...

E por que cheguei a tudo isso? Vou contar uma breve história... 


No começo de fevereiro, a Transitions Optical lançou uma nova campanha de comunicação com o mote "Veja o melhor da vida", que agregou ações em mídias sociais, filme publicitário, anúncios impressos e material de PDV.

A Transitions é a empresa responsável por aquelas lentes para óculos que se adaptam ao ambiente, tornando-se mais escuras em locais abertos e de maior luminosidade, sabem? Sempre achei essa uma opção muito prática e interessante para quem precisa usar óculos, não pode utilizar lentes de contato, no entanto conhece a importância da utilização de óculos escuros para proteger os olhos dos raios UV.

Uso lente de contato e tenho meus óculos de sol normais. Em casa utilizo um óculos de lente de grau bem simples. Nos dias em que fico com preguiça de colocar lente ou que sinto a vista cansada e opto por não usá-las, saio de óculos normal e sofro com a claridade. Apesar de maravilhosas, lentes de contato muitas vezes cansam os olhos, irritam...

... Dormir com elas é um pesadelo, quantas e quantas vezes não fui para a praia, de lente e óculos escuros, cochilei com elas e acordei com o olho todo irritado? Isso poderia ser facilmente resolvido se eu saisse apenas com óculos de lentes Transitions, mas, cadê a coragem de sair por aí direto de óculos? Futilidade, eu sei, mas esse é um projeto que tenho pensado bastante...

Desde a primeira vez que ouvi falar sobre as lentes Transitions já me encantei. É um produto realmente bom, não tem como negar. Minha mãe, que utiliza óculos multifocal e não pode usar lentes, antigamente tinha a lente escura para acoplar no óculos de grau, mas o encaixe nunca ficava muito legal e o óculos não ficava esteticamente muito bonito. Há alguns anos ela usa Transitions. Adorou a mudança. Preocupação zero!

Mesmo sendo um produto que não precisa de propaganda muito elaborada e inserido em um segmento que não tem o hábito de desenvolver ações significativas para o público final, nessa nova campanha a Transitions investiu pesado e veio com materiais publicitários muito bonitos, que em nada lembram a comunicação mais simplória do seu lançamento.

O vídeo, por exemplo, foi gravado na África e trouxe imagens lindíssimas para o filme. A ideia do interruptor de controle de luminosidade transmite bem o conceito do produto, deixando bem ilustrativa a ação das lentes.



Como uma comunicação bem feitinha e criativa não faz mal a nínguém, outra ação desenvolvida pela marca, foi  o patrocínio à escola de samba paulistana Império da Casa Verde, que trouxe para a avenida esse ano o tema da visão, com o samba-enredo “Na ótica do meu Império o foco é você”. Casamento perfeito e ponto para o marketing!


Sabendo aproveitar muito bem a oportunidade, entre janeiro e fevereiro, a Transitions realizou uma série de ações sociais voltadas para a saúde visual; entre elas examer oftalmológicos gratuitos para as pessoas carentes da comunidade da Casa Verde, além da distribuição de óculos com a presença da ex-miss Brasil, Natália Guimarães. A marca também estampava vários materiais da escola de samba paulista e o patrocínio se tornava ainda mais valorizado e interessante, pelo fato de o samba-enredo ter tudo a ver com os produtos da empresa patrocinadora: haveria momento melhor para "mostrar a cara" na maior festa do Brasil e, quiçá, do mundo? Claro que não!


...

Ou seria claro que sim?

Tudo estava bom, tudo ia bem, mas isso até a fatídica confusão de ontem!

O bonitão que rasgou os envelopes com as notas dos jurados vestia, justamente na hora da "infração", uma camiseta da Império da Casa Verde. Justamente uma camiseta com o logo da Transitions enorme no peito.

Dizem que era a primeira vez que ele desfilava pela escola e, portanto, a Império não teria nada a ver com a atitude do rapaz. Acho estranha essa revoltada toda vinda de um cara aleatório, que nunca havia desfilado antes (e Deus que me livre um doido desse defendendo a minha escola), mas é o que se diz e é no que acreditaremos até que se prove o contrário.

O fato que me intriga mesmo, como publicitária e marketeira (odeio essa palavra), é como fica o patrocinador em situações como essa. É claro que a Transitions não tinha nada a ver com a história, mas, bem ou mal, foi a marca dela que ficou ali estampadona na camiseta e aí, eu me pergunto, até que ponto vale a pena patrocinar o que quer que seja?

Um camarote que cai. Um atleta pego no anti-dopping. Uma escola de samba ou um time de futebol, cujos torcedores cometem atos de vandalismo...

E escolher uma figura pública para representar a sua marca, então? Alinhar cachê à perfil da empresa, considerando possíveis escândalos que essa personalidade pode se meter durante o período de contrato... Quanto risco!

Até mesmo o uniforme da sua empresa está sujeito a isso. Imagine seu funcionário saindo com a camisa da empresa por aí simplesmente falando mal de sua gestão. Que tamanha facilidade em se denegrir uma marca... Lembro-me dos tempos de escola, quando havia uma série de restrições de comportamento em torno de uma área x ao redor do colégio com o uso do uniforme. O que parecia um porre na época, hoje faz todo o sentido. Bem ou mal, a direção estava cuidando da imagem da escola. O que todo mundo devia fazer e o que é tão difícil de fazer.

...
 


Que sorte deu a Transitions com o samba-enredo da Império da Casa Verde que tinha tudo a ver com a sua marca. Que azar deu a Transitions com o comportamento inadequado de um folião qualquer, que mais que preocupado em se divertir, estava em acabar com o divertimento dos outros.


Não que a fatalidade possa prejudicar a marca. Não acredito nisso, não nesse caso. Mas que o fato reavivou meus pensamentos sobre a questão: marca x gerenciamento de pessoas, ahh isso sem dúvidas!


A Transitions mandou bem em suas ações, mas não contava com o fator surpresa. Eu também não contaria com isso, mas já que aconteceu, vale a reflexão. De resto é só esperar a poeira baixar...


Talvez relacionar a empresa com o carnaval já não seja uma estratégia assim tão legal, mas o produto é bom e a empresa sabe disso e, com a quantidade de material produzido, tenho certeza de que não vão faltar maneiras de divulgar... Eu vou ficar de olho e quem também quiser ficar pode conferir o Facebook e o Twitter da marca!


Bora lá ver como é que o ano vai, DE FATO, começar para eles. Sorte e paz!